NOTÍCIAS

Vencedores do CNIBES - Processos Industriais

Alunos de investigação estão a criar um “spin-off” que irá produzir e comercializar o material

A ideia surgiu da necessidade científica de isolar uma fase electricamente activa de outra electricamente inactiva no Polifluoreto de vinilideno (PVDF) – uma fina película de plástico – de forma a alargar o campo de aplicação tecnológica do material.
Com o inovador método de processamento apresentado – de fácil implementação a uma escala industrial sem requerer grandes investimentos financeiros – foi possível isolar a fase activa, o que resultou num filme plástico com propriedades eléctricas e electroactivas substancialmente melhores face ao filme comercialmente disponível e com um comportamento mecânico semelhante ao material tradicional.
A inovação – já submetida a patente, tanto a nível nacional como internacional – reside na melhoria e optimização das características electroactivas dos materiais sem perda de características como flexibilidade e resistência química, essenciais à sua utilização em inúmera aplicações tecnológicas. Este processo permite o alargamento do campo de aplicações do material em causa a produtos como teclados, ecrãs sensíveis ao toque, sensores de pressão e geração de energia, aplicações biomédicas e têxteis inteligentes, com evidentes melhorias na sua performance e consequentemente, na competitividade das empresas em causa. A tendência para a substituição de materiais é o que fundamenta a viabilidade económica da inovação apresentada. O potencial impacto económico da invenção está ainda patente nos prémios arrecadados pela equipa: IAPMEI-FINANCIA e CoHitec 2006. “Ter ganho a 2ª Edição do CNIBES na categoria de Processos Industriais representa o reconhecimento do trabalho desenvolvido, e traduz-se num incentivo para maior empenhamento na investigação”, revela Vitor Sencadas, um dos responsáveis pelo projecto.
Um grupo de alunos de investigação está a criar um “spin-off” (Somatica, Materials & Solutions) que irá produzir e comercializar o material em causa, bem como as diversas soluções nele baseadas, estando já a trabalhar com diversas empresas para aplicações especificas nas áreas de geração de energia e aplicações interactivas. Os objectivos de médio prazo passam pela consolidação do “spin-off”, intensificação dos contactos comerciais e desenvolvimento de novas aplicações baseadas no material e seus derivados, dando continuidade à investigação em materiais electroactivos. “A conjugação dos materiais electroactivos com as potencialidades dos nanomateriais abre uma apaixonante via de investigação e oportunidade”, finaliza.

(BES – Concurso Nacional de Inovação BES)

2006-12-11

VOLTAR